Inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020

Ter a própria casa é o sonho de milhões de brasileiros pelo país, sendo o fruto de muito esforço árduo. Entretanto, isso se mostra uma realidade distante já que nem tudo são flores na negociação. Por isso que se inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020 tem se mostrado a solução para muitos. O programa visa o atendimento de pessoas com baixa renda para que conquistem sua moradia, fugindo de aluguéis intermináveis. Por meio desse financiamento, os beneficiários podem recorrer a um imóvel novo e terem acesso a uma moradia própria. Veja como pode se inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020, quem pode se inscrever e do que precisa. Vamos nessa!

Como fazer a inscrição?

A realização das inscrições depende diretamente da renda salarial da família. Existem duas formas de você se inscrever no Minha Casa Minha 2020:

  • 1°: Às famílias com renda de até R$1.800,00 é necessário ir até a prefeitura da cidade ou até o órgão que se responsabiliza pelo sistema de habitação municipal para concretizar sua inscrição no processo seletivo. As residências serão construídas pelo Governo e repassadas às prefeituras para finalmente ir para as famílias.
  • 2°: A quem recebe até R$7.000,00, a entrega dos documentos deve ser feita diretamente na instituição bancária. Por meio dela haverá uma análise para a concessão do subsídio. Ou, caso queira, pode ir diretamente na instituição responsável pelo sistema habitacional. Aqui saberá mais a respeito dos imóveis que estão adequados para a aprovação do programa.

Requisitos para se inscrever?

Existem alguns critérios para que possa se inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020. Pedimos que os leia atentamente para que se prepare e evite qualquer transtorno:

1°: Não ter imóvel próprio

Para que possa ter acesso ao programa, é extremamente importante que não possua imóvel próprio. Isso abrange ser proprietário, cessionário e também detentor de qualquer financiamento de residência. Ademais, não pode deter qualquer benefício habitacional de recurso orçamentário.

2°: Renda

É necessário apresentar um comprovante de renda, sendo este um contracheque ou carteira de trabalho. Para os autônomos, o carnê do INSS é o suficiente. Diversas faixas de renda são aceitas, mas são avaliadas em caminhos diferentes.

  • Faixa 1: Quem possui até R$1.800,00. Aqui o financiamento vai até 120 parcelas que vão de R$80,00 a R$270,00, dependendo da renda.
  • Faixa 1,5: Renda mensal até R$2.600,00. Aqui as famílias recebem um subsídio para comprar imóveis de até R$47.500,00. Os juros chegam a 5% ao ano e o prazo se estende até 30 anos.
  • Faixa 2: Renda mensal até R$4.000,00. O subsídio aqui chega a R$29.000,00 para comprar imóveis novos e usados com parcelamento de até 30 anos.
  • Faixa 3: Renda mensal de até R$7.000,00. Este grupo possui taxas de juros diferentes, porém atrativas se comparadas com o mercado. O pagamento pode se estender até 30 anos.

3°: Sem restrições de crédito

O requerente precisa estar isento de restrições quanto ao seu crédito. Por isso que seu nome não deve constar no CADIN, SIACI e CADMUT.

4°: Não pode arriscar mais de 30% da renda

O pagamento não pode comprometer mais de 30% da renda do requerente no pagamento das prestações. Isso serve de medida para que não crie dívidas e não possa arcar com suas responsabilidades financeiras.

5°: Soma de idades

O financiamento requer um somatório do número da idade do requerente com o tempo de pagamento do financiamento. Ou seja, a idade do indivíduo será somada ao número de parcelas onde não pode ultrapassar 80 anos e 6 meses. Por exemplo, se tiver 65 anos, terá apenas 15 anos para financiar o imóvel.

6°: O imóvel solicitado deve estar na mesma localidade da residência ou trabalho

O contratante só poderá adquirir imóveis na mesma cidade onde mora ou local que trabalha. Isso vale aos beneficiários dos subsídios e famílias de baixa renda e carentes. Assim, se você mora em Salvador e tentar comprar uma casa em Recife não será possível.

7°: Não pode locar

O imóvel financiado não pode ser transferido para qualquer outra pessoa ou usado para obter ganhos. Nisso, não pode ser alugado e deve ser de uso exclusivo do comprador.

8°: Não pode vender o imóvel antes de terminar o financiamento

Só poderá repassar o imóvel quando quitar o financiamento. Isso é de extrema importância para evitar golpes com a ação de atravessadores.

Quais os documentos necessários?

Para se inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020 precisará de:

  • – Documento de identidade (seu RG)
  • – CPF
  • – Carteira de trabalho
  • – Certidão de nascimento
  • – Comprovante de renda
  • – Comprovante de estado civil
  • – Declaração do imposto de renda do ano vigente
  • – Extrato recente do FGTS
  • – Ficha do cadastro habitacional retirada junto com a prefeitura ou o órgão responsabilizado pelo sistema de habitação municipal.
  • – Extrato bancário se for autônomo

Qual o valor das mensalidades?

O Governo fez alterações no valor das mensalidades do programa recentemente. Agora quem ganha até R$800,00 mensalmente tem a prestação no valor de R$80,00. Para quem ganha entre R$800,00 e R$1.200,00 o valor das parcelas corresponde a 10% da renda familiar. Aos que recebem entre R$1.200,00 e R$1.600,00, o valor a ser pago corresponde a 15% da renda. Por fim, salários entre R$1.600,00 e R$1.800,00 tem a prestação no valor de 20% da sua renda total. Pode ser um pouco complexo, mas é perfeitamente possível conseguir um imóvel próprio. Assim que se inscrever no Minha Casa Minha Vida 2020 aguarde a data do sorteio e siga firme na assinatura do contrato. Independente das condições, é a oportunidade ideal para financiar uma casa da forma que deseja.

Importante

Este artigo é de caráter informativo/explicativo e todas as informações aqui contidas foram pesquisadas na internet. Portanto, algumas informações podem sofrer alterações, ou seja, recomendo que você consulte diretamente as empresas/produtos mencionadas(os) para sanar qualquer tipo de dúvida. Agradeço a visita desde já!